segunda-feira, dezembro 28, 2009

Se… se não houvesse um se!

Sedento, ergue-se na voz
estica os braços e tenta agarrar o presente
de desejos imaturos, de vácuos de memória
com a ânsia da angariação

se, esses gestos desarticulados, fossem um som
diria: - és passado! – e a rotina morreria ali.

2 comentários:

Sereia disse...

Maravilhoooooooooooosa postagem.
Parabéns.
Um beijo grande.
"Que as realizações alcançadas este ano, sejam apenas sementes plantadas, que serão colhidas com maior sucesso no ano vindouro."

Manu disse...

Poeta Paulo Afonso! Que o novo ano traga menos "ses" e mais certezas, amor, paz e muita saúde. Abraço.