sábado, fevereiro 14, 2009

Ilusão Moribunda

Vivo no teu silêncio
nesse alvéolo
da imaginação.
Sou a resposta
sem pergunta.
Sou palhaço
sem circo.
Vivo no regaço
do amor perdido
sem ser achado
apetecido.
Vivo na sombra
do sonho
paredes meias com a loucura.
Sou inebriado
com o que não tenho
e de peito aberto
vivo no estreito
da sensatez
de um dia,
quase perfeito.
Sou a mentira
com que te iludes.
Sou a verdade
com que foges
quando a ignoras…
Sou um pássaro azulão
ou peixe verde
uma consoante
ou uma letra abandonada.
Sou o que os teus olhos
quiserem ver…
Vivo no silêncio
do teu umbral
na espera
que um dia acordes.

3 comentários:

manzas disse...

O sol acende a tímida luz do dia
E embarco na viagem que nunca faço…
Abraço manhãs no ceio da chuva fria
Desbravo os ventos em trilhos do acaso

Um resto de um bom fim-de-semana
Com muita paz, saúde e muito amor…

O eterno abraço…

-MANZAS-

Carla Costeira disse...

A tua escrita... sempre tão bela!!!

Beijinhos ;)*

tecas disse...

E por ser bem-vinda:) embora atrasada,o meus parabéns. Sensibilidade à flor da pele.:)
Abraço poético
Tecas