segunda-feira, março 23, 2009

Margem

É da outra margem
que observo o sonho
em silêncio…
Escondo-me num segredo
só meu, que talvez,
talvez um dia seja também teu.
É dessa mesma margem
que imagino os passos do castelo
e as intempéries que afagam os rostos
das casas, e nem me esqueço das pessoas
que durante décadas atravessaram
este nosso Tejo.
(Onde me encontro e desencontro).
E esta margem,
agora minha, que por estes instantes,
estende o seu olhar
pelo meu corpo
pelo meu desejo
e até pela cidade que se agiganta
mesmo aqui ao lado…
Esta margem
que é um lugar de partilha,
partilha dos segredos
dos acontecimentos
esta margem
que absorve-me
encanta-me
e nunca me diz não!
Volto sempre
em silêncio
em segredo
para sentir…
E sinto mesmo,
sinto o meu sonho a sorrir…



(Nota: Dedico este poema a Dr.ª Conceição da biblioteca da minha terra, como forma de agradecimento pelo dia da poesia)

1 comentário:

frAgMenTUS disse...

safa, sortuda da Drª Conceição para receber um poema tão lindo...rs

Paulo, tem uma cadência, bem descrita, adorei!

bj de boa noite