quinta-feira, dezembro 18, 2008

Desperdício da vida

Hoje recordo o teu olhar, pensativo e em constante ebulição, quando imaginas os possíveis cenários dos filmes da tua vida. Acontecidos ou por acontecer. Recordo os contornos do teu corpo, que veste o charme e encanta num silêncio apetecido. É assim que preencho a tua ausência, embrenhado nos pensamentos que vagueiam por mim.
Hoje és o desperdício da vida que não assumi. Hoje é o tudo e o nada. Há dias e noites em que nada me aquece e tudo arrefece o calor que ainda resta de mim. Recorro. Quero-te como te vejo. Esbelta e próxima.
Hoje és a lua da minha noite solitária. És um presente imaginado neste natal real.
Recorro às imagens, aos pensamentos e também eu construo os meus cenários dos possíveis filmes da minha vida. Aprendo contigo. Sorrio quando sorris e fico triste quando choras, nessas lágrimas que escapam desse rosto lindo. Fazes-me falta, num sorriso ou num olhar. Fazes-me falta até num adeus.
Hoje quero-te por perto, mesmo que não possas, quero sentir o teu olhar e a tua voz. Não será a distancia que impedirá. Só tu podes fazê-lo… Mas, por favor, hoje não!
Dá-me pelo menos este dia, para que seja meu por inteiro, nem que seja apenas e só hoje… Dá-me porque preciso tanto de ti!

4 comentários:

frAgMenTUS disse...

E que o teu pedido, seja uma ordem...

:) ficou lindo!

com um quê de dramático, pela urgência, e romântico, em toque de fantasia quase impossível

(qdo puderes, ajuda-me nas dicas q te pedi p mail)

bj e feliz dia

frAgMenTUS disse...

e agora q ninguém nos ouve, diz lá, quem é essa musa? rs

Marta Vasil disse...

Espero que esta musa seja apenas ficção de poeta!...

Mais um texto dos que gostei de ler. Pena é ser um texto onde a ausência de...está presente.

Quem sabe se essa musa não lhe traz mesmo este dia tão desejado.

Um beijinho

MV

FERNANDA & POEMAS disse...

Querido Paulo, fantástico texto-Poético... Sabes, já devorei o teu livro... Lindo... Adorei!... Um grande abraço de carinho,
Fernandinha