quarta-feira, agosto 01, 2007

Pomba Branca


Acordei,
Com um chilrear melódico
Entoado como uma voz
A voz, da pacificação
Do ensinamento apoiado.
Acordei,
Nem sei bem à quanto tempo
Com aquele chilrear
Vindo com o vento
Ameno.
Ave, escondida nesse imenso céu
Guiando o meu destino
Mostrando-me o melhor caminho
Suavemente...
Quero ser teu.
Sereno,
Aprendo a sentir a paz de espírito
A conquistar o amor
Numa magia, inexplicável.
Deixas-me confundido
Se sonho acordado
Ou se testo a capacidade
De imaginar...
De desejar...
Talvez, não sejas ave
E sejas Pessoa
Talvez, nem seja um chilrear
Mas, palavras melódicas
De embalar
E eu já serei teu.
Se fosses ave
Serias um Pomba Branca
Mas hoje,
Como posso justificar
Toda a minha alegria
Como posso explicar
Todo o meu desejo
Como posso alimentar
Todo o meu amor
Existe uma fórmula simples
Que explica os meus sentimentos…
Um dia acordei,
Vi-te vestida de pomba branca
A entrar pela janela da minha vida
E a noção fez-me compreender
Que não devo iludir o coração
Descobrindo a mulher
E a razão!
Abençoado
Agarro o meu destino
Agradeço à felicidade
Em ver-te
Ao meu lado.

3 comentários:

Ana disse...

Adorei a descrição do amor... nessa forma branca (pura) de sentir.

Lindo Paulo, lindo....

carla granja disse...

OLÁ! GOSTO MUITO DE LÊR TANTO AMOR NOS TEUS POEMAS. OS MEUS NÃO SAO ASSIM TÃO AMOROSOS POR ISSO PASSO POR AKI PA LÊR OS TEUS PA VÊR SE FICO MAIS ROMANTICA. EHEHEHE..
PASSA NO MEU E LÊ O MEU ULTIMO BEM DIFERENTE DO TEU.
BJO
BONS SONHOS´
CARLA GRANJA

Vanda Paz disse...

Amor, felicidade = serenidade, Paz

lindo
beijo