domingo, fevereiro 24, 2008

Corpos


(Foto de: Mg Lizi)

Ainda que o teu corpo esteja distante, do querer, sinto-lhe a fragrância que estimula e seduz em silêncio e assim provoca a ebulição do meu corpo em estado embrionário…
É o pensamento que se entrega ao desejo. E o desejo atroz deixa fugir os fluidos dessa forma demente.
Os corpos incandescentes já estão na mesma linha dessa vontade própria do momento.
Mágico é o momento que acontece e, num ritmo insaciável, o movimento assume a forma inexequível do tormento cercado da incerteza do cenário e de quem, por perto, possa assistir.
Já nada os trava. Esses corpos submissos aos desejos e nesse mar de prazer por acontecer e na geometria do acto sente-se o emparelhar das cadências seculares da vida.
Cai o pano. E os corpos suados de tanto trabalho conjunto regressam, para agradecerem essa pérola de prazer inusitado. As palmas prolongam-se, por longínquos minutos.
Curvados descansam num agradecimento sentido. Cumpriram a sua dança!
Outro dia e outra dança voltarão a acontecer…

5 comentários:

Encontro de Olhares disse...

Gostei deste texto.
Adorei o "Parabéns Cláudia", lindo e de uma beleza ímpar.

Um beijinho da amiga*
Manuela

Sandra disse...

É preciso ter mão leve e alma poética prá descrever a dança do desejo. Você tem!

Vera Carvalho disse...

Parabéns, Paulo, por mais um ano de vida e pela tua bela poesia!
Concedes-me uma dança?;)
Beijinhos e um abraço.

Pedra Filosofal disse...

Uma dança mágica que aqui nos trazes. Linda e maravilhosa como tu, como só tu a podias descrever.

Um beijo repenicado na bochecha esquerda.

E já agora e como a inveja é uma coisa feia, fica mais um beijo repenicado na bochecha direita.

Stone

Isa&Luis disse...

Olá,

Gostei muito de ler...uma dança de sedução uma entrega unica...

Beijinhos

Isa