quinta-feira, março 06, 2008

Beijo Ausente


(Foto de: Tanni Thai)

Levito na ânsia do teu beijo!
Percorri as ausências dos espaços
ultrapassei as barreiras da inépcia
e formulei o meu desejo
bordado na acácia
dos meus pensamentos escassos.
Imaginei o momento
que tanto almejo
construído de muito sofrimento
e algum lampejo.
Sonho que se repete constantemente
que domina a minha mente
e acalentado me vejo.
Oh! Híbrido estar…
Oh! Imagem que se confunde
e me dá asas e me faz voar.
Levito na ânsia do teu beijo!
Espreito o caminho
que percorro sozinho.

4 comentários:

Vera disse...

Paulo, li, reli, e nunca deixei de me arrepiar...
É um poema extremamente difícil de comentar porque perante versos que tocam tanto perde-se a voz.
Seguramente é um dos teus melhores poemas, e sabes que conheço bastantes...
És um poeta absoltamente FANTÁSTICO de quem eu muito me orgulho diariamente.

Já te disse hoje que gosto de ti?
Gosto! MUITO! E quando escreves assim... ainda gosto mais!

Mil beijos
(inchados de orgulho)

Pedra Filosofal disse...

levito na ansia de encontrar palavras e de as conseguir conjugar de modo a te poder dizer o quanto este beijo ausente é lindo.

Espreito o caminho e apenas encontro um beijo para te dar. Pode não ser aquele que esperavas que estivesse á tua espera mas é um beijo!

E como não encontro palavras suficentes para te dizer o quanto este poema toca a quem o lê, conjugo-as na frase - GOSTO MUITO DE TI! MESMO!

Stone

T u r t l e M o o n disse...

hehehe elas gostam mesmo de ti e assim ganhas mts beijos...lol
eu achei o poema bonito!

Vanda Paz disse...

Este está lindo... parabéns!

Beijos