sexta-feira, julho 04, 2008

Perdido… perto de ti?


(Foto de: Catalin Soare)


Não sei em que dia estou. Fiquei imobilizado, perdido, nestas montanhas que creio com o temporal se transformaram. Resta-me a esperança de ser encontrado, ao acaso, sem forças mas com uma vida pujante dos resistentes, que lutam, contra tudo e contra todos.
Se sobreviver, cumprirei a promessa de aqui voltar, para perceber a surpresa que o destino me ofereceu. Agora, esforço-me para encontrar os caminhos da mente, para que me digam o trajecto que fiz até aqui. Quero entender o que aconteceu!
Não sei a cidade, o país ou o continente onde estou, se descobrirem digam-me por favor. Quero recuperar a consciência de ser Eu. Quero que me queiram. Quero substituir as lágrimas que correm neste rosto abatido, pela luz do sorriso tímido e natural. Quero voltar… a ser quem era!
Tu que me lês! Ajuda-me… Diz-me de onde me vês… Diz-me o que vês, por favor, diz-me quem sou eu…

in “Diário de um Pastor”

7 comentários:

Pedra Filosofal disse...

Quem és?...
O que vejo?...

Vejo um poeta, um escritor, um amigo. Uma pessoa fabulosa, que alia a escrita a uma personalidade linda.

Já te disse hoje que gosto muito de ti?

Vera disse...

Acredito que o "Diário de um Pastor" dará um livro belíssimo!
Essa personagem sente-se perdida mas creio que mantém a consciência do "Eu" presente, embora precise de amparo e de uma mão amiga que lhe mostre que é possível sorrir de novo.
Estou a gostar Paulo!

Beijo grande

Deusa Odoyá disse...

Oi meu estimado escritor.
Procure escutar a voz de sua
pr�pria conci�ncia e ver�s que �s um poeta de m�o cheia.
� na vida �ntima, no desabrochar de nossas faculdades, de nossas virtudes, que est� o manancial das felicidades futuras.
parab�ns muito bel seu blog.
Voltarei mais vezes amigo.

Beijos e fique na paz.

te aguardo no meu cantinho.

Regina coeli.

Rita Carrapato disse...

Vejo-o numa cidade chamada Eu, num país chamado Eles e num continente chamado Todos.

Eu, Eles e Todos a deixarmo-nos embalar neste belo e curiosíssimo texto.

Rita

Bruxinhachellot disse...

És uma artista que molda palavras com maestria.

Beijos de lua.

Marta Vasil disse...

E eu muitos dias não sei quem sou.

Bela prosa poética que me deliciou.

Manuela Fonseca disse...

Há tempos que não te vinha visitar! E vejo aqui um texto, absolutamente, introspectivo que me levou a repensar tantas coisas... Essa tua imensa capacidade de transmitir, sempre foi tão genuína, pura.

O que vejo? Um grande ser humano! Parabéns, Paulo, pela tua belíssima escrita!

Beijinhos e boas férias!***
Nela