quinta-feira, maio 15, 2008

O Percurso Dum Sonho


(Foto de tamtam tamtam)

Foi a tristeza que me trouxe até aqui. E a distância desenhou um caminho, imaginário, para que o sonho pudesse ser realizado…
As letras, companheiras de luta, harmonizaram-se no objectivo da senda e a luz deu-nos a visibilidade para que, em uníssono, pudéssemos unir os nossos desejos.
Quero ser música, entoar uma canção, que seja o hino do amor, daquele amor impossível e que, na junção do arco-íris entre cada cor, consiga amealhar cada oportunidade, ou cada vontade para que a realidade seja glorificada.
São teclas de um piano solitário, que mexem em movimentos estruturados, a emoção do espaço quando brotam sons de elevação que nos fazem voar aos píncaros dos desejos timidamente escondidos no nosso segredo nunca partilhado…
As cordas do violino, em sintonia com as teclas do piano, também vociferam a sua presença, quase intemporal, e, nessa conjugação deixam o meu corpo inerte pregado ao chão, e de olhos fechados sinto a alma sair do corpo para gladiar-se pelo concerto recebido.
Estamos a viajar pelo soberbo, música corpo e mente, numa união fortificada e sentida na mais genuína forma sensorial.
E é nessa viagem que coisas inominadas acontecem, que perdendo a timidez, se vão transformando, dando expressão ao subtil momento…
Ganham contornos identificados pelas imagens do nosso conhecimento, acontecem por imaginação ou desejo, mas estão dentro do nosso âmago mais escondido ou nunca assumido. Confundem-se com sonhos, ou até com pensamentos em estado indefinido, mas é o poder da música que nos transporta e nada nos pede… Oferece-nos o momento.
De ouvidos preparados, fecho os olhos, iniciando a viagem ao mundo invisível do som… e abro o meu coração para receber a dádiva do teu querer, sinto-te em sintonia, junto do meu abrigo, onde, escondido, consigo, viver cada momento… e basta-me assim…
Enquanto a tristeza não se transformar em alegria, enquanto a distância não diminuir e o objectivo permanecer revigorado em cada amanhecer, sei que o mundo pode ser a transformação do meu acreditar e é nessa conjuntura que, nos corpos em que me transformo, espero um dia acordar. Numa manhã de sol com uma música, outrora nosso hino e contigo ao meu lado. E o passado será um sonho acabado, bordado pelo presente em que a vida começa, a nossa deslumbrante e almejada vida…

3 comentários:

Margarete da Silva disse...

=)

Excelente prosa meu querido amigo *

Sempre que passo por aqui embebedo-me pelas tuas palavras. Obrigada por passares pela minha casa

(ah, mandei meus escritos para a edium editores, experimento a minha sorte... )

Beijo em ti*

Vanda Paz disse...

hoje levo este texto, como lençol, para me aconchegar durante a noite.

beijo

Pedra Filosofal disse...

Viajei no teu sonho e não encontrei a tristeza que te trouxe. Vi antes a alegria dos teus olhos.