sexta-feira, novembro 14, 2008

Esse olhar que me lê!

O teu olhar chegou. Ansiava por ele faz tanto tempo, porque em cada momento que passa e que não o sinto, para mim, é uma eternidade. Faz-me falta.
Esse olhar que vê o que tento esconder, que sabe desmanchar as linhas do meu rosto que clareiam laivos de uma alegria semelhada. E num silêncio colossal, esse olhar lê-me os gestos que se seguirão, os pensamentos e até as mais magnânimas vontades…
É nesse momento que a solidão abala sem destino. Os olhares trocados chamam as nossas vozes, que inventam as conversas mais diversas e que se acomodam aos nossos sorrisos, entre muitos risos empinados. Então já somos feitos de alegrias que nascem dos instantes que criamos…
Esse olhar só teu faz-me falta. Tu que, por vezes o escondes, que guardas para um amanhã, mesmo que não o seja para mim, também me fazes falta.
Tenho medo da solidão. Muito medo. Sendo um autêntico apreciador das alegrias que ofereces e da vida que cresce em cada sorriso deixado à sorte.
Já quase não sinto esse olhar, meio húmido meio esperançoso, que procura outro ensejo… Amanhã voltarás para me leres e isso chega-me!

2 comentários:

Pedra Filosofal disse...

Posso retirar uma frase deste texto e dedicá-la a ti?
hummm presumo que a resposta seja que sim, então aqui fica "Sendo um autêntico apreciador das alegrias que ofereces" - sim, porque eu sou uma autêntica apreciadora das alegrias que me ofereces! E sim, amanhã voltarei. Amanhã e nos dias que se seguem, sempre para te ler

Vera disse...

Eu, como tua fã nº 1, garanto que amanhã voltarei para te ler. Como ontem estive aqui, como estarei todos os dias, mesmo que em silêncio...

Beijo