sábado, junho 28, 2008

Deixas em mim tanto de ti


(Foto de: Anakin Sk)

Deixas em mim
aureolas de ti… e é tanto
deixas assim
um manto
que me cobre o espanto.

O aroma do teu corpo sedento
o traço do teu sentimento
um olhar lírico
desse teu querer idílico.

Deixas em mim tanto de ti
que nas tuas ausências me afaga
acalenta cada momento que não te vi
aquece o amor que tempo não apaga
no calor que a distância agarra.

5 comentários:

Vera disse...

Um poema docemente terno!
Sente-se ternura na leitura :)

Beijinhos

(a foto é linda também)

Laura Gil disse...

Um poema com uma ternura incomparável.
Gostei de ler... Parabéns!!!

Bjs

Fragmentos de Elliana Alves disse...

Deixas em mim tanto de ti
que nas tuas ausências me afaga
acalenta cada momento que não te vi
aquece o amor que tempo não apaga
no calor que a distância agarra.

Poeta que poesia meu querido que amor gostoso,que saudade boa de sentir,bjssssss e bom dia,adorei tua casa...

Pedra Filosofal disse...

Deixas em mim tanto de ti... e não é que o deixas mesmo, não só em mim mas em todas as pessoas que te rodeiam?

Adorei o poema. Por ser ternurento, carinhoso... lindo!!!!

já te disse hoje que gosto de ti?

Deusa Odoyá disse...

Oi meu estimado amigo.

Vc nesse poema disse tudo sobre o amor.
A beleza da vida, reside na variedade.
Mesmoo mais terno amor, pede para ser renovado, com intermédios de ausência.
Belo texto.
Fique na paz.

sua amiga do lado de cá.

regina coeli.