sábado, janeiro 24, 2009

Excertos de Uma Despedida I

(personagens: Diogo & Esmeralda)

Diogo:

“Já não há futuro no nosso caminho. No presente há um sentido destemido e assumido como um passo que tinha que ser dado.
Do passado fica-nos a memória dos nossos actos, dos nossos desejos planeados e que nunca foram conquistados.
Agora nada adianta tentar inverter o rumo dos acontecimentos. É hora de assumir um fim. Houve um tempo em que as coisas aconteciam e que ainda podíamos evitar este desfecho final, mas ambos ignorávamos essa realidade.”

3 comentários:

frAgMenTUS disse...

tens um mimo lá no meu blog
sobrevivente ao romantismo
bj

Tentativas Poemáticas disse...

Caro amigo Paulo
Após um período adoentado lá regressei. E reparei que, embora na solidão do meu quarto, "não estou assim tão só". O Paulo faz parte das pessoas que admiro e estimo, e tenho o privilégio de o ter como amigo. Referi isso na última publicação.
Deixo-lhe um grande abraço.
António

Marta Vasil disse...

Pode, de facto, ser demasiado tarde, quando um dia se acorda e se sente o quanto se ignoraram certas realidades que foram corroendo, minando, quase como se elas fossem realidades de outros e não nossas.
Talvez a vida se viva depressa de mais!...

Um abraço

MV