sábado, janeiro 19, 2008

Pasmos da Passagem…

Com quatro madeiros
fiz a minha jangada
atados com fitas de esperança
para atravessar o rio dos herdeiros
que na vida encontraram a herança
tão própria e desejada.
Fiz a viagem
entre os últimos e os primeiros
focado na miragem
de poder ser… talvez um dos pioneiros.
Lutei
perdi e ganhei
com rebeldes verdadeiros.
E da minha própria experiência
quis ousar beber o sumo
achado e conquistado por excelência.
Iludam-se os matreiros
neste meu corpo ansioso
ficaram as cicatrizes de um idoso.

2 comentários:

Pedra Filosofal disse...

E pronto... como é que queres que eu não seja fã do que escreves se escreves com esta qualidade?? Assim não vale, de todo.

Um beijinho grande

Stone

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querido Paulo, lindíssimo o teu poema.
Divina!!!!!!!!!
Bom fim de semana.
Beijinho com carinho.
Fernandinha