quarta-feira, abril 02, 2008

perdido no espaço


(Foto de Vladimir Lestrovoy)

Hoje nada tenho para partilhar - sobra-me um silêncio - dos olhares e das luzes solitárias das noites frias…
Hoje não quero alegrias nem tristezas… nem me quero a mim!
Se me virem por aqui - ou por aí - mandem-me para casa.
Mais tarde quando estiver em mim saberei agradecer-vos…

7 comentários:

Bruxinhachellot disse...

Mesmo apenas esse silêncio já é grande coisa. Fique bem.

Beijos desejosos.

Encontro de Olhares disse...

Adorei o modo como descreveste o teu estado de espirito. Essa loucura que só quem sabe de si, encontra por aí...

Uma foto extraordinária!

Beijinhos e saudades*
Nela

Maria disse...

Uma ausência voluntária de nós....
Beijo

Vera disse...

E por vezes o silêncio que sobra... basta-nos!

Beijo

Pedra Filosofal disse...

Quantas vezes não é assim mesmo que nos sentimos? cansados até de nós?

Beijo

Djinn disse...

Silêncio, por vezes tão ou mais eloquente que muitas palavras, ainda que possa ser meramente passageiro..

Beijo silencioso, meu amigo

Anónimo disse...

Excelente trabalho de neutralidade Paulo. Sem palavras...que mais posso dizer sobre a consciêcia de si mesmo ausente do que é, da sua forma e do seu parecer? É a expansão da consciência ao rubro. Libertas-te da forma, exaltas o conteudo..aquela tão bela essência que não se vê, sente-se no amâgo da criatividade dos homens.

Ricardo Silva